loader

Blog

29 May
  • Autor: Beraldi
  • 31 Visualizações

Novidades da Colt no SHOT 2019

A Colt's Manufacturing Company LLC é uma das mais antigas e tradicionais fabricantes de armas de fogo dos EUA, responsável por verdadeiros ícones do mundo das armas, que são produzidos até hoje. E justamente esse parece ter sido o tema desse ano na Colt: um revival de armas clássicas, que fizeram a história da marca, juntamente com algumas melhorias e modernizações.

O destaque certamente fica para a continuidade do renascimento da família de revólveres cobra da Colt. A Colt’s Snake Series era composta pelos modelos Viper, Diamondback, Cobra, King Cobra, Boa, Python e Anaconda, sendo estes certamente os mais desejados revólveres da segunda metade do século 20. O mais famoso deles, o Python, estrela de inúmeros filmes e seriados, era conhecidos pela altíssima qualidade do acabamento Royal Blue, pelo gatilho que beirava a perfeição e pelas peculiaridades típicas da marca Colt, como o tambor que girava no sentido horário e o dedal serrilhado que destravava para trás, o oposto de tudo o mais que havia no mercado.

Porém, pouco a pouco, essas excepcionais armas pararam de ser fabricadas devido à necessidade de uma mão de obra altamente especializada cada vez mais rara, e de um grande número de horas de detalhado trabalho manual de ajuste para cada exemplar, o que as encarecia demais perante os outros modelos existentes no mercado, fabricados em grande volume, que acabavam sendo preferidos pelo consumidor que não era uma verdadeiro connoisseur deste tipo de máquina. O resultado foi que, até pouco tempo atrás, esses revólveres passaram a existir somente no mercado de coleção, haja vista que a maioria teve sua produção encerrada no final do século 20, restando tão somente os dois mais famosos e desejados modelos Anaconda e Python, que tiveram sua produção também encerrada em 2003 e 2005, respectivamente.

Há dois anos atrás a Colt fez “renascer” o modelo Cobra, antes fabricado de 1950 a 1981, que era um revólver com armação em alumínio no calibre .38 Special, com tambor com capacidade de seis cartuchos e cano de 2 polegadas. Este modelo era o querido pelos detetives norte-americanos, pelo seu baixo peso e grande poder de fogo – para a época. Uma subvariante desta arma acabou sendo adotada pela Força Aérea Norte-americana como arma padrão de seus pilotos, chamada Colt Aircrewman. A versão 2017 do Colt Cobra veio com uma armação em aço inoxidável e um design bem mais moderno, mantendo as demais características da arma: cano de 2 polegadas e capacidade de 6 cartuchos, tudo num “pacote” de 180mm de comprimento, 120mm de altura, 36mm de largura e 710g de peso. A aparência de qualidade na sensação de acionamento do gatilho e no aspecto do acabamento, antes a cargo de trabalhadores altamente especializados, foi em grande parte reproduzida pelo moderno maquinário de alta tecnologia, capaz de cortar peças com elevada precisão e polir metais em detalhe. 

De 2017 para cá, as versões Bright Cobra (acabamento brilhante), TT Cobra (acabamento em dois tons), Classic Cobra (tambor polido e massa de mira clássica) e Night Cobra (acabamento em DLC negro, cão de perfil baixo e somente dupla ação) se somaram à primeira versão.

Nesse ano de 2019 foi a vez do retorno do Colt King Cobra. Anteriormente produzido de 1986 a 1998, o Colt King Cobra é a versão com uma armação reforçada do Colt Cobra, disparando a munição .357 Magnum. Ele foi anteriormente produzido nas versões com canos de comprimento de 2 polegadas, duas e meia polegadas, além de 4, 6 e 8 polegadas, todas com uma inserção de poliuretano vermelho na massa de mira fixa, além de uma alça de mira regulável bordeada por uma linha branca. Ocorre que foram produzidos apenas 6 (seis) exemplares de uma versão com cano de 3 polegadas e miras fixas para a polícia canadense, que desejava tal revólver para testes de adoção de uma nova arma de porte para seus detetives. Essa é a versão mais rara deste modelo da Colt, da qual só se sabe o paradeiro de um único exemplar, e curiosamente é esse modelo que a fabricante estadunidense escolheu para o retorno do King Cobra.

Na realidade o revólver de seis disparos em calibre .357 Magnum com cano de 3 polegadas e miras fixas é considerado a combinação ideal para uma arma de defesa deste tipo por inúmeros especialistas com um pouco de experiência real de combate. Não é à toa que fabricantes modernos de revólveres como a Kimber tem armas nessa configuração na lista de seus sucessos de venda. O Colt King Cobra 2019 tem 203mm de comprimento e 795g de peso, é fabricado inteiramente em aço inoxidável, dispõe de um entalhe na parte posterior da armação que serve como alça de mira, e uma massa de mira substituível ao se soltar uma parafuso com chave allen.

Passando para outro ícone da Colt, as pistolas modelos 1911, tivemos o lançamento da versão Rail Gun da Colt 1911 Combat Unit, que nada mais é do que a CCU com um trilho Picatinny em sua armação. Com a adoção do trilho de acessórios na Colt Combat Unit (CCU), foi criada aquela que considero a mais completa e atual pistola modelo 1911 já colocada em produção não-limitada pela Colt: fabricada toda em aço, com cano National Match, sistema duplo de molas recuperadoras da Colt M45A1, miras Novak com trítio, trava de segurança ambidestra, trava de empunhadura com beavertail alongado, armação com recorte sob o guarda-mato para uma empunhadura mais elevada e próxima do eixo longitudinal do cano, recartilhado de 25 linhas por polegada (LPI) na parte frontal e traseira da empunhadura e talas de empunhadura G10. Disponível em 9x19mm Parabellum e em .45 ACP, não precisa de mais nada a acrescentar: da caixa para o coldre.

Não o bastante, foi lançada também a versão Commander da Colt CCU. Esse novo modelo, chamado Combat Unit CCO, tem a armação em alumínio para menos peso no porte, conta com um ferrolho em aço inoxidável para maior resistência à corrosão, acabamento totalmente preto (anodizado + PVD), além de possuir como sua irmã maior: miras Novak com trítio, trava de segurança ambidestra, trava de empunhadura com beavertail alongado, armação com recorte sob o guarda-mato para uma empunhadura mais elevada e próxima do eixo longitudinal do cano, recartilhado de 25 linhas por polegada (LPI) na parte frontal e traseira da empunhadura, funil de competição para recarga e talas de empunhadura G10, sendo também disponível nos calibres 9x19mm Parabellum e .45 ACP.

Já na sua linha Custom Shop, de pistolas feitas com atenção a cada detalhe por armeiros altamente especializados e ajustadas manualmente, a Colt 1911 Custom Competition certamente é o destaque para os atiradores de competição: fabricada inteiramente em aço inoxidável, com sistema de gatilho série 70, cano National Match, alça de mira regulável Bomar e massa de mira com fibra ótica, trava de segurança alongada, trava de empunhadura com beavertail alongado, recartilhado de 25 linhas por polegada (LPI) na parte frontal e traseira da empunhadura, funil de competição para recarga e talas de empunhadura G10. Disponível em 9x19mm Parabellum e em .45 ACP, além do tradicional calibre de competição .38 Super, que continua sendo a munição de calibre restrito para atiradores brasileiros mais barata fabricada pela CBC.

E para fechar, temos a linha AR-15 Military Classics com o M16A1 Retro Reissue e o XM177E2 Retro Carbine, que são nada mais e nada menos do que a reentrada em produção do mais famoso fuzil da época do Vietnam, o Colt M16A1, com todas as marcações e características originais, porém numa versão semiautomática destinada a colecionadores, e também o primeiro fuzil compacto de forças especiais de grande produção, o Colt XM177E2, totalmente original e exatamente como era produzido nos anos 60, também em versão colecionável.

Alexandre Beraldi

Policial Federal, Professor e Autor